Deuxieme


terça-feira, maio 01, 2007

Assim, sim

Um senhor pack, para o qual é indispensável alertar. Infelizmente, nem sempre a união de dois filmes dentro do mesmo celofane resulta num bom negócio para o cliente. A frase ‘Epá, dois filmes juntos que não fazem um de jeito’, não se aplica neste caso. E não se aplica porque estamos a falar da junção desta obra,

com esta outra,

e quando assim é, vale a pena levar o pack para casa. Há muito que Wes Anderson deixou de ser um desconhecido para o público português. Contudo, por a sua filmografia ser essencial, importa que se reúna o maior número possível de títulos deste cineasta, e que assim todos possamos compreender que nenhum dos seus filmes é um caso de sucesso isolado. Este pack permite-nos constatar que estamos na presença de um dos maiores valores actuais da sétima arte, um realizador capaz de assumir a escrita dos inovadores argumentos que leva ao grande ecrã, e que nos tempos livres ainda tem tempo de produzir coisas como A Lula e a Baleia (Noah Baumbach).

O primeiro, Os Tenenbaums, foi a confirmação das suas potencialidades. A grandeza do argumento que escreveu a meias com Owen Wilson valeu-lhe a nomeação para os Óscares. A visão da típica família disfuncional nunca foi tão funcional, e Anderson conseguiu captar na perfeição a essência de um agregado familiar em rota de colisão, à beira do precipício. No entanto, o género cómico que percorre o filme bombeia a obra com momentos hilariantes, sejam eles gags meramente visuais ou pérolas dialogadas. O espectador passa, assim, grande parte do filme na dúvida se aquilo que está a ver merece ser analisado profundamente, ou simplesmente contemplado com um sorriso de orelha a orelha até final. Por seu lado, Um Peixe Fora de Água (estes títulos…), um regalo para a vista, traduz-se na aproximação de Anderson a uma escrita mais dramática, permitindo que elementos do fórum emocional preencham a narrativa. Nos seus filmes anteriores era a melancolia dos personagens que funcionava como alavanca. Aqui, o humor deriva da flutuação emocional e dos altos e baixos de cada um, sobretudo os de Zissou (Bill Murray). No final, não deixa de ser uma excelente aquisição para a Dvdteca de todos nós. Indispensável.

Alvy Singer

2 Comments:

Blogger Paulo said...

"The Royal Tenenbaums" é, quanto a mim, o melhor filme do novo século. Uma palavra o descreve: perfeição!

2 de maio de 2007 às 00:29  
Anonymous Luis said...

O melhor filme do novo século parece-me um bocadinho forte... Mas que é um grande filme, isso não há duvidas. O outro ainda não vi, apesar de também parecer interessante...

4 de maio de 2007 às 00:36  

Enviar um comentário

<< Home

Menu Principal

Home
Visitantes
Website Hit Counters

CONTACTO

deuxieme.blog@gmail.com

Links

Descritivo

"O blogue de cinema"

  • Estreias e filmes em exibição
  • Próximas Estreias
  • Arquivos

    Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011

    Powered By





     
    CANTINHOS A VISITAR
  • Premiere.Com
  • Sound + Vision
  • Cinema2000
  • CineCartaz Público
  • CineDoc
  • IMDB
  • MovieWeb
  • EMPIRE
  • AllMovieGuide
  • /Film
  • Ain't It Cool News
  • Movies.Com
  • Variety
  • Senses of Cinema
  • Hollywood.Com
  • AFI
  • Criterion Collection