Deuxieme


sexta-feira, maio 18, 2007

UM BANHO DE MULTIDÃO (4)



Ontem foi feriado em França, e a juntar aos festivaleiros, aterrou ontem na Croisette uma multidão de mirones, para tirar fotografias das estrelas ou simplesmente para passear até porque o dia estava bom, sem chegar ao 32 graus de Lisboa. O resultado foi que a Croisette completamente engarrafada, mesmo com trânsito limitado, e uma enorme dificuldade em atravessá-la, a pé até à sala onde decorre a Quinzena. Para concluir os comentários das projecções de ontem não podia deixar passar ao lado dois grandes filmes que visionei e não estão na competição oficial. O primeiro chama-se Triangle, curiosamente um tríptico sobre três amigos, realizado a três mãos, por três ‘homens de acção’ do cinema de Hong-Kong: Johnnie To, Tsui Hark e Ringo Lam. Mais uma variante sobre o filme de gangsters, cheio de traições (ou supostas) e reviravoltas, com muita adrenalina e um condimento irresístivel de humor. A técnica narrativa utilizada foi a do ‘cadavre exquis’, onde é impossivel dectectar onde estão as marcas de um realizador e a do outro, ou todos eles não se tenham influenciado mutuamente nas suas obras individuais. Triangle é um filme muito divertido e com muita acção e, um produto genuíno do cinema de Hong Kong. Na Quinzena, — e vi-me aflito para lá chegar a horas embora tivesse saído com antecedência — passou então na abertura Control, uma fabulosa crónica biográfica sobre um ícone dos anos 80: Ian Curtis, o homem que morreu de amor aos 23 anos. O filme é dirigido por Anton Corbijn, um holandês que curiosamente não atravessou os anos da Factory, em Manchester, nem conheceu Curtis, mas é um grande admirador dos Joy Divisions e documentou-se muito bem. No papel do malogrado músico, está e com algumas semelhanças físicas, outro músico Sam Riley (10.000 Things), actor ocasional e que arranca uma notável interpretação, e que já tinha participado em 24 Hours Party People, um filme também sobre a geração de Manchester. Quanto à Competição daqui a pouco vou para a projecção de Les Chansons de Amour, de Christopher Honoré (o realizador de Em Paris), em mais um filme produzido por Paulo Branco, e que darei conta numa próxima crónica. Também na competição do dia passou The Bunishement, do russo Andrey Zuiaguintsev (O Regresso), com uma história trágica de uma familia que deixa a cidade para regressar às origins dele e ao campo na tentativa desesperada de o casal se reconciliar. Mais um filmed que tem como pano de fundo a questão do aborto, já tratada no filme 4 Luni, 3 Saptammini Si 2 Zile, do romeno Cristian Mungiu, que tem sido muito apreciado aqui pela crítica e constituí para já a grande surpresa

1 Comments:

Anonymous Anónimo said...

A banda de Ian Curtis eram os Joy Division, não "Joe Divisions".

19 de maio de 2007 às 00:30  

Enviar um comentário

<< Home

Menu Principal

Home
Visitantes
Website Hit Counters

CONTACTO

deuxieme.blog@gmail.com

Links

Descritivo

"O blogue de cinema"

  • Estreias e filmes em exibição
  • Próximas Estreias
  • Arquivos

    Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011

    Powered By





     
    CANTINHOS A VISITAR
  • Premiere.Com
  • Sound + Vision
  • Cinema2000
  • CineCartaz Público
  • CineDoc
  • IMDB
  • MovieWeb
  • EMPIRE
  • AllMovieGuide
  • /Film
  • Ain't It Cool News
  • Movies.Com
  • Variety
  • Senses of Cinema
  • Hollywood.Com
  • AFI
  • Criterion Collection