Deuxieme


terça-feira, janeiro 20, 2009

Duas sem três, até quando?

Só depois de ficarmos a conhecer os vencedores dos Screen Actors Guild Award, no próximo domingo, é que poderemos fazer algumas previsões mais minuciosas. No entanto, por enquanto, na categoria de Melhor Actriz, já deu para perceber que Kate Winslet e Meryl Streep são as únicas duas com lugar garantido. A primeira, à procura de sair do Kodak Theater pela primeira vez com uma estatueta na mão; a segunda, habituada a estas andanças, ou não detivesse o recorde de nomeações nas categorias de interpretação. Streep começou a espalhar talento em 1977, com Julia, de Fred Zinnemann, ao lado de estrelas conceituadas como Jane Fonda, Vanessa Redgrave e Jason Robards. Um papel menor, mas tomado a pulso, que haveria de abrir as portas certas. Dai para cá, Streep tem amealhado nomeações aos Oscar, continuando a encantar cinéfilos com fartura, de todas as gerações, transformando-se na rainha, não a de Mirren, mas de Hollywood. A primeira nomeação surgiu com o magnifico The Deer Hunter (1978). Seguiram-se Kramer Vs Kramer (1979), The French Lieutnant’s Woman (1981), Sophie’s Choice (1982), Silkwood (1983), Out of Africa (1985), Ironweed (1987), Evil Angels (1988), Postcards From the Edge (1990), The Bridges of Madison County (1995), One True Thing (1998), Music of the Heart (1999), Adaptation (2002) e The Devil Wears Prada (2006). Ele há carreiras brilhantes, e Katherine Hepburn e Jack Nicholson que o digam, mas esta é de tirar o fôlego. E, pensar que Streep ainda terá tanto para dar. Provavelmente, a Academia não estará com grande pressa de lhe entregar o terceiro Oscar. Contudo, nunca se sabe. Já lá vão vinte e seis anos desde a última vitória. A verdade é que aguardamos com expectativa a chegada de Doubt, para dizer de nossa justiça. Enquanto isso não acontece, vamos recordando momentos deliciosos do passado de Meryl Streep, como esta excepcional cena de Postcards From the Edge, em que a personagem de Shirley MacLaine, mãe de Meryl Streep no filme, pergunta a esta se preferia que Joan Crawford ou Lana Turner a substituíssem no papel de progenitora. These are the options? You, Joan or Lana?.

Bruno Ramos

Etiquetas: ,

Menu Principal

Home
Visitantes
Website Hit Counters

CONTACTO

deuxieme.blog@gmail.com

Links

Descritivo

"O blogue de cinema"

  • Estreias e filmes em exibição
  • Próximas Estreias
  • Arquivos

    Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011

    Powered By





     
    CANTINHOS A VISITAR
  • Premiere.Com
  • Sound + Vision
  • Cinema2000
  • CineCartaz Público
  • CineDoc
  • IMDB
  • MovieWeb
  • EMPIRE
  • AllMovieGuide
  • /Film
  • Ain't It Cool News
  • Movies.Com
  • Variety
  • Senses of Cinema
  • Hollywood.Com
  • AFI
  • Criterion Collection