Deuxieme


quinta-feira, fevereiro 19, 2009

1999.

Ainda a propósito daquele post sobre os diferentes títulos nomeados às principais categorias dos Oscar, e de como esse número pode ser reflexo da qualidade do ano cinematográfico, Alvy Singer decidiu pesquisar um pouco mais, andar par trás, e ver se existia alguma espécie de ano de ouro. Algumas variações existem, é certo, mas nada de verdadeiramente extraordinário. Anos melhores, anos piores, a quantidade de nomeados vai variando, mas nunca em valores significativos. No entanto, o número deste ano continua a colocar 2008 nas posições inferiores da tabela. Contudo, isso são contas para outro rosário. O que noz traz aqui é algo mais espiritual. Menos matemático. Uma revelação, poder-se-á dizer. A verdade é que, ao realizar esta mini investigação, pude confirmar que a década de 70 continua a ser a preferida, por estes lados. Com cineastas como Steven Spielberg, George Lucas, Francis Ford Coppola, Martin Scorsese, William Friedkin, Robert Altman, Terrence Malick, Stanley Kubrick, Woody Allen, Sidney Lumet, Mel Brooks ou Alan J. Pakula, a trabalhar a todo o vapor, e com criatividade para dar e vender, deve ter sido um tempo do camandro para se ir ao Cinema. No entanto, aquilo que desconhecia, e parece ter sido descoberto há coisa de dois ou três dias, é que 1999 deverá ser o ano cinematográfico mais idolatrado. Mais do que qualquer outro. E, as razões são muitas.

Este foi o ano de Three Kings (David O. Russell), Rosetta (Jean-Pierre Dardenne e Luc Dardenne), Todo Sobre Mi Madre (Pedro Almodóvar), The Cider House Rules (Lasse Hällstrom), Sweet and Lowdown (Woody Allen), The Straight Story (David Lynch), Sleepy Hollow (Tim Burton), The Hurricane (Norman Jewinson), The End of the Affair (Neil Jordan), Tumbleweeds (Gavin O’Connor), The Talented Mr. Ripley (Anthony Mingella), Boys Don’t Cry (Kimberly Pierce), Girl, Interrupted (James Mangold), The Blair Witch Project (Daniel Miryck e Eduardo Sánchez), Topsy-Turvy (Mike Leigh), South Park: Bigger, Longer & Uncut (Trey Parker), Man on the Moon (Milos Forman), Notting Hill (Roger Mitchell), e Eyes Wide Shut (Stanley Kubrick). No entanto, os dez preferidos, e que mais contribuíram para o enorme peso deste ano foram os seguintes.

10 – Fight Club (David Fincher) – Um filme sobre uns quantos revoltados que passam os tempos mortos à bulha, e a mandar valentes sopapos uns nos outros, em nome da anarquia e oposição à sociedade de consumo, e que acaba por ser tudo menos isso.

09 – The Matrix (Andy e Larry Wachowski) – Filosofia e religião sempre foram boas aliadas da ficção-cientifica. Os irmãos Wachowski equilibraram estes vértices num triângulo equilátero, e ofereceram-nos um dos filmes com os efeitos especiais mais espectaculares do século XX. Por mais goofs que encontrem, continua a ser uma obra sublime.

08 – The Green Mile (Frank Darabont) – O mundo esperava um novo The Shawshank Redemption. Não ficou longe. Focando um tema sensível, o filme mostrou que a justiça nem sempre é cega, e os milagres podem acontecer. Em qualquer lado.

07 – Election (Alexander Payne) – Uma sátira regada com cinismo agudo, que colocou Payne no centro do universo independente norte-americano. Uma comédia adolescente feita à medida daqueles com um pé na idade adulta. Reese Whiterspoon, em grande estilo, a mostrar de que material era feita.

06 – Being John Malkovich (Spike Jonze) – O filme mais original do ano. Todos os filmes são diferentes. Mas, relativamente a este, nem um parecido conseguimos encontrar. Esquisito, surreal, sem género que o abarque. Não é comédia. Não é drama. É mais que a soma das partes.

05 – The Sixth Sense (M. Night Shyamalan) – Desgraçado, aquele que caminha para o visionamento do filme de Shyamalan, sabendo aquilo que esconde o maravilhoso twist. Terror psicológico requintado, um imaginário palpável, e interpretações de luxo, numa obra absolutamente memorável.

04 – Magnolia (Paul Thomas Anderson) – Aquilo que um filme mosaico deveria ser. A conjugação de histórias e o deslindar de enredos secundários, num quadro maior, desarma-nos impiedosamente. A importância do detalhe, como que a premiar o espectador atento. Até os sapos são bonitos.

03 – Toy Story 2 (John Lasseter) – Aqui, tudo é ilusão. É necessário imaginar que os brinquedos ganham vida, e andam por aí a laurear a pevide. Ao mesmo tempo, temos de ser capazes de compreender o conceito de imortalidade. Exigente. Definitivamente, um filme que vai até ao infinito, e mais além.

02 – American Beauty (Sam Mendes) – Não fosse por mais nada, e a obra de estreia de Mendes valeria apenas pela sequência do saco de plástico. No entanto, existe uma banda sonora divinal por trás, um argumento sublime, um elenco magnífico, uma direcção de fotografia magistral. A lista continua.

01 – The Insider (Michael Mann) – Sem pressas. Sem papas na língua. O argumento de Eric Roth demora a chegar lá, mas chega. Cada segundo é precioso. Intenso. Um filme de parada e resposta, com Russell Crowe a revelar todos os seus atributos, e Al Pacino a relembrar-nos todas as suas qualidades. O Cinema foi feito a pensar nisto.

Alvy Singer

9 Comments:

Anonymous Alexandre J. said...

Magnólia é, para mim, o melhor filme de 1999. Gostei de ver Toy Story 2 nessa lista.

19 de fevereiro de 2009 às 13:54  
Blogger Fifeco said...

Reduzir Fight Club a essas palavras, ou, pelo menos, da forma como o fez é quase criminoso. A obra de Fincher é tão complexa e magnificente que não merece, quanto a mim, ser reduzida a palavras com tão pouco significado.

19 de fevereiro de 2009 às 14:04  
Anonymous Anónimo said...

tal como boa parte das referencias neste post, fifeco, fight club é obra mais complexa do que texto para tres ou quatro linhas. não se zangue.

19 de fevereiro de 2009 às 17:22  
Anonymous Anónimo said...

"Eyes Wide Shut" é um dos melhores filmes do século XXI (e o melhor de Kubrick segundo as suas próprias palavras), e não entra num top 10 de 1999.

Algo de muito errado se passa.

19 de fevereiro de 2009 às 18:22  
Blogger Carlos said...

Um grande ano de cinema, sem dúvida. E tb uma chamada de atenção para se (re)ver alguns dos filmes mencionados.

19 de fevereiro de 2009 às 19:36  
Blogger ritha, a fine young girl who keeps spinning around said...

Alguém me pode dizer onde e a que horas é que os Oscares vão ser emitidos? Será que alguém me pode elucidar?

Obrigada!

19 de fevereiro de 2009 às 21:31  
Blogger Deuxieme said...

Ritha, os Oscar serão emitidos na Tvi, no próximo Domingo, a partir das 00h15.

20 de fevereiro de 2009 às 12:27  
Blogger ritha, a fine young girl who keeps spinning around said...

Muito obrigada! A deuxieme sempre a ajudar cinéfilos em apuros.
Lá estarei eu, em frente da televisão, com um cafézinho para ver se o sono não me vence.

Segunda falaremos então!

20 de fevereiro de 2009 às 20:16  
Blogger Ricardo said...

Grande ano, sim senhor! Para mim, a lista é liderada por Magnolia.

20 de fevereiro de 2009 às 22:42  

Enviar um comentário

<< Home

Menu Principal

Home
Visitantes
Website Hit Counters

CONTACTO

deuxieme.blog@gmail.com

Links

Descritivo

"O blogue de cinema"

  • Estreias e filmes em exibição
  • Próximas Estreias
  • Arquivos

    Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011

    Powered By





     
    CANTINHOS A VISITAR
  • Premiere.Com
  • Sound + Vision
  • Cinema2000
  • CineCartaz Público
  • CineDoc
  • IMDB
  • MovieWeb
  • EMPIRE
  • AllMovieGuide
  • /Film
  • Ain't It Cool News
  • Movies.Com
  • Variety
  • Senses of Cinema
  • Hollywood.Com
  • AFI
  • Criterion Collection