Deuxieme


quinta-feira, dezembro 21, 2006

Joe Barbera (1911-2006)


Faleceu dia 18 de Dezembro, com 95 anos, Joe Barbera, um nome importante na história da animação norte-americana. Celebrizado através da sua parceria com William Hanna (1910-2001), que durou a quase totalidade da carreira profissional de ambos, foi o co-criador de inúmeros personagens que preencheram o imaginário de várias gerações. Como director de um dos dois departamentos de animação da MGM (o outro era dirigido por Tex Avery), Hanna e Barbera foram parte integrante, nos anos 40 e 50, da idade de ouro do cinema de animação norte-americano com a série Tom e Jerry, que criaram e alimentaram em dezenas de filmes, e cuja altíssima qualidade lhes valeu nada menos que sete Oscares de Melhor Curta-Metragem – a saber Yankee Doodle Mouse (1943), Mouse Trouble (1944), Quiet, Please! (1945), The Cat Concerto (1946), The Little Orphan (1948), The Two Mouseketeers (1951) e Johann Mouse (1952) – fazendo do gato e do rato os personagens que mais Oscar ganharam na história do cinema. Em 1957, com a animação de curta-metragem em declínio nas salas de cinema, a dupla de criadores criou o Hanna-Barbera Studio, dedicando-se quase exclusivamente a animação para televisão, com um sucesso fenomenal. Com os orçamentos reduzidíssimos que a televisão comportava, os dois animadores criaram um sistema em que animavam apenas as partes das figuras que se mexiam (como as pernas ao andar, por exemplo), utilizando o resto do corpo como parte do cenário (que, consequentemente, só se desenhava uma vez), reutilizando as figuras e os movimentos inúmeras vezes ao longo da série. Isto reduziu o numero de desenhos e os custos, mas, naturalmente, empobreceu bastante a própria animação. O impacto da estrutura de produção que criaram, económica e repetitiva, mas funcional e competitiva, foi, para o bem e para o mal, gigantesca no mercado, e sente-se até aos dias de hoje. Entre as inúmeras personagens que desde então criaram, destaque para Yogi Bear (Zé Colmeia em Portugal), os Flintstones (a primeira série de animação em horário de prime-time), Top Cat (ou Manda Chuva), Quick Draw McGraw (ou Pepe Legal), os Jetsons ou Scooby Doo. O legado de Joe Barbera é, portanto, algo polémico, já que, se por um lado foi um realizador de grandes méritos no campo da animação para cinema, foi, por outro, um dos principais expoentes de uma animação barata feita para televisão, de teor essencialmente infanto-juvenil (ao contrário da animação para cinema, que visava todo o público indistintamente), cuja imagem negativa, durante muito tempo, foi colada a toda a animação, mas que também permitiu a sobrevivência da mesma no meio televisivo. De qualquer forma, é inegável que as personagens que tocou marcaram fundo muitas gerações e que Joe Barbera, enquanto pessoa, parece ter deixado apenas memórias positivas em todos os profissionais que com ele trabalharam. Terão os leitores da Premiere memórias positivas das séries que Joe Barber co-criou?

Luís Salvado

2 Comments:

Anonymous José Soares said...

Foi com tristeza que soube da notícia.
As melhores memórias que guardo das suas criaçõe são, sem dúvida, a dupla Tom & Jerry, infinitas tropelias e aventuras, duas personagens eternas, tal como será a memória deste homem.

Aproveito para desejar umas excelentes festas, cheias de películas (começa a não ser natural usar esta expressão) e estrelas.

Para toda a equipa da Premiere um grande abraço deste Vosso leitor.
Bem haja!

21 de dezembro de 2006 às 21:33  
Blogger Misato said...

Durante anos disse mal das animações Hanna-Barbera exactamente pela criação do acima referido estigma que estabeleceu para a animação televisiva e em geral. Mas mesmo cometendo esse pecado, com o tempo, aprendi a apreciar o valor destas animações (as séries de televisão que mesmo nem sempre gostando fui vendo ao longo da minha infância) que marcaram imenso a minha geração e que, vendo à distância, não são assim tão más. Muito pelo contrário, foram criadas personagens incríveis e histórias simples, mas engraçadas e com uma riqueza muito própria (basta ver o número de citações que ainda são feitas, tais como o riso do Mutley ou a célebre frase: "altoaí, Babaloo!"), apesar da confirmada fraca qualidade técnica da animação.

23 de dezembro de 2006 às 02:12  

Enviar um comentário

<< Home

Menu Principal

Home
Visitantes
Website Hit Counters

CONTACTO

deuxieme.blog@gmail.com

Links

Descritivo

"O blogue de cinema"

  • Estreias e filmes em exibição
  • Próximas Estreias
  • Arquivos

    Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011

    Powered By





     
    CANTINHOS A VISITAR
  • Premiere.Com
  • Sound + Vision
  • Cinema2000
  • CineCartaz Público
  • CineDoc
  • IMDB
  • MovieWeb
  • EMPIRE
  • AllMovieGuide
  • /Film
  • Ain't It Cool News
  • Movies.Com
  • Variety
  • Senses of Cinema
  • Hollywood.Com
  • AFI
  • Criterion Collection