Deuxieme


sexta-feira, março 21, 2008

Verdades irrefutáveis.

O mote para este post surgiu com uma fotografia pouco convencional. Ao olhar para o frame que pretendia ilustrar uma determinada cena, dei por mim a pensar que contaria pelos dedos de uma mão, o número de vezes que tinha visto uma coisa assim. Apesar de não ser terrivelmente estranho, disse para com os meus botões, Ora aqui está uma coisa que não se vê todos os dias. Não importa aqui o filme que esteve na origem, mas sim o facto de isto ter despoletado a ideia de partir à procura de coisas mais comuns. Tão comuns que, ainda não aconteceram, e nós já sabemos que vão acontecer. Daquelas coisas que nos levam a dizer Típico. Daquelas coisas que nos levam a pensar Pff, assim também eu era realizador. Daquelas coisas que surgem filme sim, filme não, e que, por serem tão frequentes, já nem damos por elas. É verdade que pode haver aqui algum exagero, no sentido de trazer uma universalidade inexistente a estas leis de Murphy. No entanto, basta que isto tenha acontecido uma vez, para confirmar a teoria. Porque a ciência cinematográfica é mais maleável.

Vejamos então dez certezas que habitam essas obras que tanto adoramos, e que dão pelo nome de filmes.

10 – Sempre que alguém entra numa cozinha, e não acende a luz, é porque vai buscar alguma coisa ao frigorífico. Mas, o objecto de desejo nunca está na porta do frigorífico. Aquilo que ela procura está lá atrás, bem no fundo, mesmo em frente à câmara, para o grande plano.

9 – Sempre que alguém tem uma alucinação em que mantém uma conversa, a coisa funciona enquanto os dois se olham nos olhos. O problema é quando a personagem real vira as costas. Assim que ela se vira novamente para responder, a ilusão desapareceu. A única razão legítima para os psicanalistas não recorrerem a este método infalível, é a falta de respeito que a alucinação possa sentir.

8 – Sempre que uma lareira está a ser utilizada, a cena só pode ter dois desfechos. Ou alguma coisa vai ser queimada, ou um casal acaba enrolado no chão. Esta última opção não é exclusiva para marido e mulher.

7 – Com muita ou pouca pressa à mistura, a corrida do táxi inclui sempre troco. Já a entrar no autocarro, ninguém compra bilhete, o que nos leva a pensar que todos terão passe social.

6 – Sempre que alguém leva uma pistola à boca para acabar com a própria vida, só termina o trabalho se estiver sozinho. Se estiver acompanhado, acaba por chorar e deixar cair a arma. Isto leva-nos a concluir que o suicídio só existe se não for acompanhado.

5 – Por mais responsável que seja, sempre que alguém sai de casa a correr, nunca tranca a porta. E, das duas uma, ou sai disparado porque já tem as chaves no bolso, ou tem de apanhar as chaves e um casaco. Nunca as chaves sem o casaco. E, é importante levar as chaves, precisamente porque não tranca a porta. Parece que não faz sentido, mas faz.

4 – Se, numa cena de sexo iminente, alguém pergunta Tens a certeza que queres fazer isto?, é porque a coisa vai mesmo acontecer. A resposta a esta pergunta jamais poderá ser Agora que dizes isso... Já no altar, tudo é possível.

3 – Sempre que os pais se reencontram com o filho após uma longa separação, e este ainda é pequeno o suficiente, pegam-no ao colo entusiasticamente. Porém, na despedida, o abraço triste é sempre ao nível da criança, com os pais a dizerem adeus com um joelho no chão obrigatoriamente. Para mais esclarecimentos ver Kramer Contra Kramer, onde isto acontece a cada cinco minutos.

2 – Sempre que alguém apaga a luz da mesa-de-cabeceira ao deitar, os cortinados abertos permitem que o luar ilumine a face da nossa personagem. Mesmo que lá fora esteja a chover, a luz é sempre suficiente para clarear o quarto.

1 – Um copo a deslizar no balcão de um saloon nunca pára sozinho por força do atrito. Surge sempre uma mão.

Alvy Singer

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

esqueceram-se de mencionar que quando alguém sai d um carro tb nunca o tranca não ser q tenha fecho centralizado..e mm assim...

23 de março de 2008 às 16:42  
Blogger O Homem que Sabia Demasiado said...

Muito bem visto!

24 de março de 2008 às 01:12  
Blogger ana said...

Gostei muito do apanhado das cenas e não posso deixar passar a ocasião sem falar nos filmes de terror (que estão cheios de clichés, obviamente, senão não haveria a parte do "terror":)). Assim, sempre me perguntei porque é que quando as personagens atropelam alguém/algo insistem em parar o carro e voltar para trás para ver o resultado e porque tentem a procurar sempre a fonte de todos os barulhos sinistros que ocorrem ao seu redor:)
Ana C

24 de março de 2008 às 20:54  

Enviar um comentário

<< Home

Menu Principal

Home
Visitantes
Website Hit Counters

CONTACTO

deuxieme.blog@gmail.com

Links

Descritivo

"O blogue de cinema"

  • Estreias e filmes em exibição
  • Próximas Estreias
  • Arquivos

    Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011

    Powered By





     
    CANTINHOS A VISITAR
  • Premiere.Com
  • Sound + Vision
  • Cinema2000
  • CineCartaz Público
  • CineDoc
  • IMDB
  • MovieWeb
  • EMPIRE
  • AllMovieGuide
  • /Film
  • Ain't It Cool News
  • Movies.Com
  • Variety
  • Senses of Cinema
  • Hollywood.Com
  • AFI
  • Criterion Collection