Deuxieme


sexta-feira, março 13, 2009

Pela voz de António-Pedro Vasconcelos.

Se dúvidas restassem, um tipo fica a saber que é geek do Cinema quando se depara com uma publicação onde, na primeira página, vem descascada uma moçoila da casta de Ana Ferreira, e decide comprar a revista porque na capa se pode ler “O realizador de Call Girl conta tudo. Sexo, Ferraris e Armas. É o novo filme português!”. É certo que Ana Ferreira em trajes menores teve o seu peso no acto da aquisição. Contudo, foi a manchete que despoletou o negócio. Se isto não mostra que há algo de errado com um jovem saudável a caminho dos trinta, não sabemos o que mostrará.

Antes de mais nada, menção seja feita ao equívoco provocado pela interpretação errada deste título. Perdão, títulos. É que, apesar de as frases estarem seguidas, a parte de António-Pedro Vasconcelos nada tem que ver com o Sexo e os Ferraris presentes no próximo filme nacional. Parece que cores diferentes significam artigos diferentes. Da próxima vez prometemos ter mais atenção ao grafismo. Sendo assim, a obra em questão é 100 Volta, filme de Daniel Souza que estreia já na próxima semana. Lá dentro, o texto da FHM fala-nos de uma película construída por muita gente amadora; escrita, realizada e protagonizada por Daniel Souza, aqui na pele de Zé Galinha, um agente federal à paisana que investiga o crime organizado e que tem de roubar 32 carros de alta cilindrada, entre os quais o Lamborghini Gallardo, Ferrari 348, e um Maserati 3000. Vamos ver no que isto dá. Agora, pese embora António-Pedro Vasconcelos não esteja relacionado com esta história da alta velocidade com pinceladas de sexo e armamento, a entrevista do cineasta não deixa de ser merecedora de um post. Antes de resvalar para a temática do esférico sobre o relvado, o realizador diz algumas coisas com bastante conteúdo. Destacamos a seguinte passagem.

Porque é que os portugueses têm tanta aversão ao Cinema Português?
Os filmes são feitos em função dos critérios de cinco indivíduos que fazem parte do júri do ICA e que decidem quais é que devem ser feitos. É uma aberração completa. O que é grave é que o produtor não tem de dar conta dos resultados financeiros do filme. O dinheiro é dado a fundo perdido e se o filme só fizer 100 espectadores, não é penalizado por isso. Desde que tenha três ou quatro estrelas num jornal, o filme passa a ser bom, mesmo que ninguém goste dele”.

Balelas.

Alvy Singer

Etiquetas: , ,

Menu Principal

Home
Visitantes
Website Hit Counters

CONTACTO

deuxieme.blog@gmail.com

Links

Descritivo

"O blogue de cinema"

  • Estreias e filmes em exibição
  • Próximas Estreias
  • Arquivos

    Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011

    Powered By





     
    CANTINHOS A VISITAR
  • Premiere.Com
  • Sound + Vision
  • Cinema2000
  • CineCartaz Público
  • CineDoc
  • IMDB
  • MovieWeb
  • EMPIRE
  • AllMovieGuide
  • /Film
  • Ain't It Cool News
  • Movies.Com
  • Variety
  • Senses of Cinema
  • Hollywood.Com
  • AFI
  • Criterion Collection