Deuxieme


domingo, julho 12, 2009

Jennifer's Body - Trailer e poster.

Photobucket

Podemos olhar para Jennifer’s Body sob dois pontos de vista. O primeiro, um simples filme de terror que, por acaso, tem uma actriz que respira sensualidade por todos os poros. O segundo, uma actriz que respira sensualidade por todos os poros que, por acaso, optou por fazer um filme de terror nesta fase da sua carreira. Seja de que maneira for, esbarramos sempre na actriz sexy até à quinta casa. Digamos que, por esta altura, os olhos e peito de Megan Fox devem estar para os dentes e abdominais de Matthew McConaughey. Seja qual for a película, os produtores lá arranjam forma deles aparecerem. Se Megan Fox fosse a escolhida para um remake de Mary Poppins, veríamos certamente uma preceptora voadora de saia comprida com um justo top. Mas, foquemo-nos em Jennifer’s Body. O título assinala o regresso de Diablo Cody, argumentista de Juno, e prepara-se para testar a capacidade de Fox em carregar um filme às costas na dura batalha do box-office. O plot oficial não parece esconder grandes segredos – se bem que existam por aí sites (nos quais não nos arriscamos a navegar), como o Latino Review, que se atrevem a ir para além do disponibilizado pelo estúdio. Jennifer Check (Fox) é uma cheerleader igual a tantas outras, bem-parecida, mas com ligeiro desvio. Aparentemente possuída pelo demónio, Jennifer começa a apoquentar, entenda-se, degustar, os seus colegas rapazes. Será Needy Lesnicky (Amanda Seyfried), a sua melhor amiga, capaz de colocar um ponto final ao banho de sangue? Talvez. O trailer não responde. Agora, aqui entre nós, Mena Suvari tem toda uma outra souplesse quando manuseia um fecho éclair. Já para não falar da desenvoltura com que Sharon Stone descruzava as pernas. Tudo discussões válidas, mas que farão mais sentido com o avançar da hora.

Bruno Ramos

Etiquetas: , ,

1 Comments:

Blogger Exíguo said...

Quando penso nesta menina, remoto ao imbróglio do pensamento e começo a constatar que é um fenómeno. É incrível como algo tão belo e angelical, consegue proferir das maiores calamidades imagináveis. Mas depois olho novamente para aquele rosto e todas aquelas citações desaparecem e fico abismado com aqueles olhos azuis. Enfim. Venha daí esse filme. Bom ou mau, há sempre algo de encher o olho no ecrã.

14 de julho de 2009 às 23:09  

Enviar um comentário

<< Home

Menu Principal

Home
Visitantes
Website Hit Counters

CONTACTO

deuxieme.blog@gmail.com

Links

Descritivo

"O blogue de cinema"

  • Estreias e filmes em exibição
  • Próximas Estreias
  • Arquivos

    Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011

    Powered By





     
    CANTINHOS A VISITAR
  • Premiere.Com
  • Sound + Vision
  • Cinema2000
  • CineCartaz Público
  • CineDoc
  • IMDB
  • MovieWeb
  • EMPIRE
  • AllMovieGuide
  • /Film
  • Ain't It Cool News
  • Movies.Com
  • Variety
  • Senses of Cinema
  • Hollywood.Com
  • AFI
  • Criterion Collection