Deuxieme


domingo, julho 26, 2009

Rock e pouco roll.

A noite até tinha começado bem. Ao chegar à bilheteira, um acto falhado que envaideceria o Freud mais pudico. É um para O Barco do Amor, às nove e meia. Farta risota do lado de cá do balcão. Do lado de lá, um sorriso forçado como que a dizer Quantos parvalhões é que ainda vou ter de aturar hoje? Ao entrar na sala, a boa disposição imperava. Praticamente vazia, num sábado soalheiro de Verão. Cinco ou seis casais dispostos nos lugares centrais das filas mais recuadas – saúde-se a distribuição inteligente –, e um cinéfilo meio perdido lá para o meio. Para destoar, como convém.

O filme começa e, quase sem darmos por ela, estamos em mar alto. Richard Curtis serve-se de uma introdução legendada para contextualizar o espectador, e atira-nos de imediato para o barco da rádio rock. Daí para a frente, são mais de duas horas de rock’n roll puro, e um atafulhar de ideias que Curtis podia ter desbastado mais ajuizadamente – pode ser que os Estados Unidos tenham melhor sorte pois, ao que parece, o filme será editado novamente antes de estrear do outro lado do oceano. No centro da trama, um jovem de seu nome Carl (Tom Sturridge), a viver aquilo que poderá ser definido como moratória psicossocial. À procura do seu lugar no mundo, sem uma figura paternal, Carl é enviado pela sua mãe para o barco onde o padrinho (Bill Nighy) dirige uma das muitas rádios piratas britânicas que emite através do éter o rock impuro mas saboroso, que o ouvinte tanto reclama. O governo não acha muita piada, e o hitleriano Sir Alistair Dormandy, magistralmente interpretado por Kenneth Branagh, não descansa enquanto não afundar todos os barcos que naveguem nas águas frias do norte com esse objectivo, sobretudo o da rádio rock.

As peripécias são mais que muitas. O que não seria um problema por aí além, se algumas delas não estivessem tão desalinhadas. Os episódios como que se vão amontoando, e alguns assuntos são deixados em stand-by mais tempo do que deviam. A correria de Carl para a maturidade sofre alguns contratempos, um deles bem pesado, e, como praticamente para todos os outro problemas a bordo, a solução milagrosa parece caída do céu sem grande explicação. No fundo, dá-nos a sensação que Curtis se deixou embriagar pelo espírito cool e ‘tá-se bem que tanto quis apregoar no seu guião, que o filme acabou por levar por tabela. Se os seus anteriores trabalhos conseguiam ser ligeiros mais coesos, The Boat That Rocked é ligeiro e maioritariamente desgrenhado – no final do filme, a pergunta que se impõe é, Então, e onde param os técnicos e os engenheiros? A música que percorre a obra mascara algumas das limitações, mas não encobre tudo. Especialmente, a pobre concepção do sexo feminino. Ou Curtis estava mesmo a dormir quando escreveu partes do argumento, ou existem ali recalcamentos gravíssimos que orgulhariam o Freud menos pudico. Se há por aí alguém que acha que a escrita em Knocked Up e The Hangover não favorece as mulheres, então que veja este filme. Ao pé deste, os de Apatow e Todd Phillips parecem ter sido redigidos por Vénus. Posto isto, The Boat That Rocked não é mau. Também não é bom. É uma espécie de bife meio passado, quando o que tínhamos pedido era um mal passado. Come-se, mas queria-se mais ensaguentado. Os States é que estão bem. Pediram bem passado e o bife ainda volta à grelha.

Bruno Ramos

Etiquetas: , , ,

2 Comments:

Blogger JMM said...

Eu fui ver no Alegro, em Alfragide, e só estavam presentes mais duas pessoas para além do meu grupo, e isto no dia da estreia. Faz-me uma certa confusão...

Eu gostei do filme. O argumento não é o melhor, mas transmite boa disposição, tem um bom elenco e uma banda sonora quase perfeita (ainda não ultrapassei a ausência de músicas dos Beatles).

27 de julho de 2009 às 16:24  
Blogger Marisa Alexandra Batista said...

Não é mau, podia ser tudo contado em menos tempo.

29 de julho de 2009 às 16:46  

Enviar um comentário

<< Home

Menu Principal

Home
Visitantes
Website Hit Counters

CONTACTO

deuxieme.blog@gmail.com

Links

Descritivo

"O blogue de cinema"

  • Estreias e filmes em exibição
  • Próximas Estreias
  • Arquivos

    Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011

    Powered By





     
    CANTINHOS A VISITAR
  • Premiere.Com
  • Sound + Vision
  • Cinema2000
  • CineCartaz Público
  • CineDoc
  • IMDB
  • MovieWeb
  • EMPIRE
  • AllMovieGuide
  • /Film
  • Ain't It Cool News
  • Movies.Com
  • Variety
  • Senses of Cinema
  • Hollywood.Com
  • AFI
  • Criterion Collection