Deuxieme


quarta-feira, abril 22, 2009

Há quem já tenha visto, e gostou.

O buzz é tal e qual a galinha. Grão a grão, lá vai enchendo o papo. E, quando chegar o fim do ano, e for chegado o momento de enviar os screeners para as entregas de prémios, Oscars incluídos, certamente contará aquilo que foi escrito ao longo dos meses sobre as obras a concurso. Não tanto para quem envia, mas quem recebe. Em casa, no conforto do lar, o que dá mais vontade de ver? O filme que muitos apontam como favorito, ou aqueloutro que não o é tanto?

Para já, a corrida ao Oscar de Melhor Actriz é uma perfeita confusão. Ao contrário de outros anos, em que, por esta altura, já se antecipavam vencedoras garantidas. Hillary Swank, por Amelia, é a única que nos leva a equacionar – e, sublinhávamos aqui este termo – a imprudente colocação das mãos no fogo. É esperar para ver. Meryl Streep, por Julie & Julia, deverá ter uma palavra a dizer – sobretudo, sem a concorrência de Winslet. Será que Michelle Pfeiffer continuará a ser a preferida depois do visionamento? Hellen Mirren, este ano, não ameaça com um filme, mas dois. O ego de Carey Mullingan deve ter atingido proporções descomunais após os elogios de Sundance. E, Penélope Cruz faz-se acompanhar de Almódovar, um combo sempre explosivo. Fora aquelas que não estamos a ver. Essas é que são o perigo. Para todos os efeitos, com uma corrida tão aberta – pelo menos, em meados de Abril – qualquer empurrão ajuda a ganhar vantagem. Neste sentido, um lançamento precoce pode ser a jogada de mestre, ou morte do artista. Felizmente, para Audrey Tautou, e Coco Avant Chanel, parece ser a primeira. Já se sabe que a Academia tem queda por biopics. Nesta categoria, então, é uma coisa parva. Das últimas dez vencedoras, sete foram baseadas em figuras reais – curiosamente, nos dez anos anteriores, apenas uma. Já lá vão oito anos, desde Amélie Poulain, e quatro desde Un Long Dimanche de Fiançailles. Até agora, apesar de uma carreira pós-hit extremamente bem conseguida, continuamos à espera de uma interpretação daquelas. De encher o olho. De um novo filme em que Tatou volte a surpreender. Sabendo, de antemão, que surpreender quem já foi surpreendido implica o dobro do esforço. Mas, segundo o Hollywood Reporter, Coco Avant Chanel pode ser a resposta às nossas preçes.

Spectacle, a love triangle, heritage settings, bravura acting, witty dialogue, a bittersweet finale: There’s something for everyone in Anne Fontaine’s “Coco Before Chanel,” and with the title providing name recognition to die for, her film appears set to storm multiplexes worldwide.

The love story is engagingly done, but Fontaine’s core interest is in showing how Coco becomes Chanel, in pointing out the markers along the path that led a penniless young woman, with no resources other than her inner strength, to become a key figure in shaping contemporary tastes in style and design … Tautou fully inhabits the role of Coco, her face a mask as if her character has yet to determine which identity she is to assume, sexually as much as socially”.

A confirmar-se o sucesso junto da crítica, não só parece que França volta a ter uma escolha fácil para a submissão à categoria de Melhor Filme Estrangeiro – se bem que, até Dezembro, deverão surgir mais três ou quatro filmes elegíveis –, como Tautou começa a confirmar um pouco os pergaminhos que lhe reconhecíamos, e esperávamos confirmados no filme de Anne Fointaine. Contudo, uma gaivota não faz a Primavera. Já dizia o pinguim imperador.

Bruno Ramos

Etiquetas: , ,

2 Comments:

Anonymous César said...

Sim, estou de acordo a 100% que nas categorias de interpretação os biopics tendem a ter uma certa tendência para a vitória... claro está que este ano não há Winslet ao barulho, por isso a coisa não fica tão decidida desde o inicio. Pode ser que no caso de Pfeiffer a academia se venha a redimir de erros anteriores (já aqui mencionei quando Pfeiffer perdeu para Davis), pode ser que seja desta que Streep leva o 3º para casa (porque todos nós sabemos que mais tarde ou mais cedo isso vai acontecer), Swank poderia arrancar uma nomeação mas não creio numa terceira vitória (pelo menos não já). Cruz... enfim... não creio em tal coisa, especialmente tendo em conta a mediocridade de "Los abrazos rotos"... ter-lhe saído este ano o Oscar foi um milagre (como o de Fátima que ninguém pode explicar), uma terceira nomeação já sería o reconhecer que a academia começa a perder critério...

22 de abril de 2009 às 23:05  
Anonymous Marta said...

Não querendo fazer qualquer crítica ao Sr. Alvy,que se digna a escrever tantos textos que eu tanto aprecio, acho só que é um bocado prematuro estar em falar em nomeações para óscares. No fundo, se formos a ver bem, todas as grandes actrizes (ou as mais conhecidas) que apresentam filmes este ano, são potenciais candidatas a prémio.

23 de abril de 2009 às 15:10  

Enviar um comentário

<< Home

Menu Principal

Home
Visitantes
Website Hit Counters

CONTACTO

deuxieme.blog@gmail.com

Links

Descritivo

"O blogue de cinema"

  • Estreias e filmes em exibição
  • Próximas Estreias
  • Arquivos

    Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011

    Powered By





     
    CANTINHOS A VISITAR
  • Premiere.Com
  • Sound + Vision
  • Cinema2000
  • CineCartaz Público
  • CineDoc
  • IMDB
  • MovieWeb
  • EMPIRE
  • AllMovieGuide
  • /Film
  • Ain't It Cool News
  • Movies.Com
  • Variety
  • Senses of Cinema
  • Hollywood.Com
  • AFI
  • Criterion Collection