Deuxieme


quinta-feira, junho 04, 2009

Invictus.

Já há algum tempo que deixou de ser segredo a nossa adoração em relação aos Oscars. Este não é um espaço que se pretenda inteiramente dedicado aos prémios da Academia de Hollywood, contudo, não escondemos que é em torno deste evento que gira a maioria dos nossos posts. Seja na antecipação, na avaliação de potenciais candidatos, no descortinar dos primeiros favoritos, no seguir de perto a corrida desde o tiro de partida, no acompanhamento da propaganda feroz, até à chegada do grande dia – que para o ano será no primeiro domingo de Março. O que nos traz aqui neste fim de tarde de quinta-feira é precisamente um dos muitos pontos de interrogação para a próxima temporada de prémios. A par de Amelia, Nine, The Lovely Bones e Shutter Island, este é um dos maiores pesos pesados a ter em consideração. E, até ontem, não sabíamos muito bem como lhe chamar – contudo, já nos começávamos a afeiçoar a The Human Factor. Hoje, segundo o InContention, o filme de Clint Eastwood ganha nome. Parece que é oficial, e podemos mesmo começar a tratar a película por Invictus. Este é o título de um poema escrito em 1875 por William Earnest Henley, e que serviu de fonte de inspiração ao activista e líder politico sul-africano, Nelson Mandela. Como o próprio atestou numa entrevista em 2007 à Reader’ Digest:

RD: When you were in prison all those long years on Robben Island and elsewhere, was there something that came back to you, something you had either in your mind, a message or passage from a book, a song, something that helped sustain you and keep up your spirits?

Mandela: There was a poem by an English poet, W.E. Henley, called “Invictus.” The last lines go: “It matters not how straight the gate, How charged with punishments the scroll, I am the master of my fate: I am the captain of my soul”.

Neste ponto, convém relembrar que a obra de Eastwood não é tanto um biopic de Mandela, mas mais um recordar do primeiro mandato do presidente, após a queda do apartheid, e durante a preparação para o Mundial de Rugby de 1995, entendido como uma oportunidade para unir o país. A título de curiosidade, aqui fica o poema de William Earnest Henley.

Out of the night that covers me,
Black as the pit from pole to pole,
I thank whatever gods may be
For my unconquerable soul.

In the fell clutch of circumstance
I have not winced nor cried aloud,
Under the bludgeonings of chance
My head is bloody, but unbow’d.

Beyond this place of wrath and tears
Looms but the horror of the shade,
And yet the menace of the years
Finds, and shall find me, unafraid.

It matters not how strait the gate,
How charged with punishments the scroll,
I am the master of my fate:
I am the captain of my soul.

Bruno Ramos

Etiquetas: ,

Menu Principal

Home
Visitantes
Website Hit Counters

CONTACTO

deuxieme.blog@gmail.com

Links

Descritivo

"O blogue de cinema"

  • Estreias e filmes em exibição
  • Próximas Estreias
  • Arquivos

    Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011

    Powered By





     
    CANTINHOS A VISITAR
  • Premiere.Com
  • Sound + Vision
  • Cinema2000
  • CineCartaz Público
  • CineDoc
  • IMDB
  • MovieWeb
  • EMPIRE
  • AllMovieGuide
  • /Film
  • Ain't It Cool News
  • Movies.Com
  • Variety
  • Senses of Cinema
  • Hollywood.Com
  • AFI
  • Criterion Collection