Deuxieme


domingo, julho 12, 2009

Spoiler post.

Será, porventura, uma visão enviesada. Contudo, gostava de expressar aqui e agora uma profunda convicção para com a minha pessoa, naquele que será um dos raros momentos em que admito possuir uma qualquer qualidade. Alvy Singer, por natureza, é alguém que identifica imediatamente muitos mais defeitos na sua personalidade do que atributos. Contudo, por questões que se prendem com um nível mínimo obrigatório de auto-estima, convirá reconhecer, uma vez por outra, certos talentos. E, ou muito me engano, ou sou um individuo sereno. Não sendo um tipo que levanta ondas, certifico não procurar conflitos por dá cá aquela palha. Acredito, piamente, que todas as pessoas são intrinsecamente boas. À partida, não olho a raças, religiões, filiações políticas, paixões clubistas, ou carteiras profissionais. Palavra de honra. Todos merecem o nosso respeito. Modéstia aparte, gosto de pensar em mim como o protótipo de um qualquer Secretário-geral das Nações Unidas. Contudo, há um espécime que não suporto. Porque todos os modelos vêm com um defeito de fabrico, somente corrigido num upgrade 2.0, não consigo conviver com um spoiler freak. Aquele que retira prazer por tirar o prazer a um terceiro, ao contar-lhe o final de um filme. Existem os carretos. Sempre que alguém faz isto, vou muito além dos carretos. O pacifismo torna-se num conceito arcaico, e todas as injúrias verbais revelam-se insuficientes para classificar o acto. Ora, esta sexta-feira, jornal da noite, eis o que tem a dizer Francisco Louçã sobre o apontamento de José Sócrates, quando este comparou a sua primeira legislatura a uma Tempestade Perfeita, como no filme de George Clooney – registe-se o cuidado da classe política em traduzir à letra o título original.

Bastaram dez segundos para Francisco Louçã arruinar qualquer hipótese de arrancar um voto a este que se assina. Não eleger um tipo porque este não consegue controlar o seu ímpeto para partilhar finais de filmes, parece uma justificação tão plausível como outra qualquer. Correcção. Razão mais plausível do que outra qualquer.

Alvy Singer

Etiquetas: , , ,

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

o Louça é um lirico...

13 de julho de 2009 às 03:51  
Blogger Margarida said...

Alvy tenho a mesma reacção quanto aos finais dos filmes que se contam por aí como conversa de café, mas Louçã é Louçã, até o perdoo...

15 de julho de 2009 às 21:32  

Enviar um comentário

<< Home

Menu Principal

Home
Visitantes
Website Hit Counters

CONTACTO

deuxieme.blog@gmail.com

Links

Descritivo

"O blogue de cinema"

  • Estreias e filmes em exibição
  • Próximas Estreias
  • Arquivos

    Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011

    Powered By





     
    CANTINHOS A VISITAR
  • Premiere.Com
  • Sound + Vision
  • Cinema2000
  • CineCartaz Público
  • CineDoc
  • IMDB
  • MovieWeb
  • EMPIRE
  • AllMovieGuide
  • /Film
  • Ain't It Cool News
  • Movies.Com
  • Variety
  • Senses of Cinema
  • Hollywood.Com
  • AFI
  • Criterion Collection